sexta-feira, 22 de maio de 2015

De quem é a mão que esfaqueia? (Por Thiago Muniz)

"Uma das coisas importantes da não violência é que não busca destruir a pessoa, mas transformá-la". (Martin Luther King)

Tem sangue na mãos de cada um de nós. Menos Estado, Mais Família. Mais valorização a família, isso falta a sociedade brasileira. A mão que esfaqueia é um pouco de todos nós, meu, seu, do corrupto e do honesto. A sociedade é composta por nós todos. Nós temos as nossas responsabilidades e deveres.

A mão é do indivíduo que segura a faca e comete o delito, devendo ser responsabilizado pelo crime em questão. Mesmo com toda as dificuldades que permeiam o nosso país, não está escrito em lei nenhuma que é permitido roubar e assassinar.

Jaime Gold era medico e trabalhava em hospital universitário. Atendia a população pobre, num hospital em ruínas porque acreditava na educação médica de qualidade como instrumento importante para melhorar a qualidade de vida das pessoas. Morreu porque desafiou a realidade atual, de total abandono, onde o criminoso é tratado como vítima dos 500 anos de colonização errada.

Não, Jaime não terá cruzes na praia de Copacabana,.

Não, nenhum favelado vai tacar fogo em ônibus nem fechar com barricadas a curva do Calombo, onde Jaime foi covardemente atacado.

Não, a Dilma não ficou estarrecida e sequer vai ligar para a família de Jaime para uma palavra de conforto.

Jaime, cidadão brasileiro, pagava seus impostos em dia.

Jaime sou eu, é você. Jaime somos todos que antes desconfiávamos, mas agora temos certeza, que esse país deu totalmente ERRADO.

Essa mão é a mão que vota errado, esta mão é a mão que recebe propina, esta mão é a mão que desvia verba, esta mão é a mão que não assina para mudar as leis. E por aí vai. Essa mão representa muitas mãos erradas espalhadas pelo nosso Brasil.

O culpado sou eu que não sei votar. A culpa é toda minha por escolher políticos incompetentes e/ou ladrões. A culpa é minha por colocar no poder essas criaturas que não têm o menor respeito pela vida humana, que desprezam nosso povo e por isso não dão às políticas públicas, ao direito básico do ser humano o valor que esses merecem.

O que acontece no Rio hoje, na realidade, vem acontecendo há décadas e dependendo da vítima, o clamor das ruas cresce ou diminui. O culpado sou eu, e eu não tenho a menor dúvida sobre isso.

Essa é a mão de uma sociedade hipócrita que nega suas contradições e exclusões. A violência só é violência quando atinge o andar de cima; quando mata a patuleia, é estatística, "efeito colateral". No fim, a tragédia é geral... é social.

É a mão cruel do sistema político que cria os currais eleitorais e incentiva o nascimento de proles numerosas nas famílias mais pobres, pois quanto mais pobres, mais filhos têm.

A mão é de quem vitima, mas que também é vítima, o que não o torna inocente. A inocência é um privilégio que o mundo cão não permite a ninguém. Portanto, todos somos cúmplices.

É a mão de um estado historicamente omisso, excludente, que justamente por seu caráter omisso, concentrou renda, ampliou desigualdades, sucateou serviços como educação e saúde e fomentou o crescimento dessa violência.

Numa palestra que assisti pelo YouTube do Luiz Carlos Prestes, ele disse o seguinte: "Chegará o dia em que a burguesia será engolida pelo proletariado".

O médico assassinado não era burguês, muito pelo contrário, era uma pessoa sensível aos problemas sociais, eu o conhecia um pouco porque trabalhei no mesmo hospital universitário onde ele era professor de cardiologia. Ironicamente, essa mão representa a mesma mão da burguesia que sempre virou as costas para os proletários. Muitas mãos virão por aí, sujas do mesmo sangue, enquanto pouco ou nada for feito para diminuir drasticamente a desigualdade social.

BIO

Thiago Muniz tem 33 anos, colunista dos blog "O Contemporâneo", do site Panorama Tricolor e do blog Eliane de Lacerda. Apaixonado por literatura e amante de Biografias. Caso queiram entrar em contato com ele, basta mandarem um e-mail para:thwrestler@gmail.com. Siga o perfil no Twitter em @thwrestler.

Nenhum comentário:

Postar um comentário