domingo, 17 de maio de 2015

Brazilian Storm: a geração sem medo da vitória (Por Thiago Muniz)

Sempre bato na tecla de que todo esportista brasileiro, independente da modalidade que pratica, quando se destaca no cenário mundial, sempre ressuscitam aquela velha história do "Complexo de Vira lata" e nos momentos de decisão, sempre decepcionam. Primeiro quero deixar bem claro que esse "complexo" deve ser exterminado e sepultado, temos que acreditar mais em nossos esportistas.

O mundo do surf dessa vez está sendo contaminado por surfistas brasileiros de alto calibre e níveis acentuados, o "Brazilian Storm", no português "Tempestade Brasileira", vem destruindo recordes, ondas e expectativas cada vez mais no cenário mundial do esporte.

Ousadia e alegria. Eu pensei que nunca escreveria isso aqui, mas nada descreve melhor o que a Brazilian Storm vem trazendo às ondas de todo o mundo. 

Cada vez mais profissionais e preparados, os surfistas brasileiros estão deixando os loirinhos australianos de cabelos em pé.

Desde o Free Surfing até a elite do surf mundial, os brasileiros estão subindo em suas pranchas e causando espanto nos gringos por sua grande evolução na arte de rasgar ondas. Está mais claro do que nunca que essa nova geração de surfistas brasileiros está vestindo a camisa e acabando com todos os tabus.

Esse time vai desde a galera das marolas (ondas pequenas) até a galera do Big Surf, que se joga em ondas gigantes com a ajuda de jet-ski (modalidade conhecida como Tow-in). Mas já que estamos no começo do World Tour, há algumas semanas para o Billabong Rio Pro 2015, quarta etapa do WCT, para ser mais preciso. Resolvi falar da galera que está correndo o campeonato para apresentar o time da Brazilian Storm.

Gabriel Medina é o atual campeão mundial de surfe.
Gabriel Medina é o atual campeão mundial de surfe, vencida na última etapa em Pipeline no Havaí. Evoluiu bastante nos tubos, mas o seu forte mesmo são os aéreos incríveis. Com apenas quatro temporadas na elite do surfe mundial, o brasileiro já tem cinco vitórias importantes, sendo duas em 2011 e três em 2014. Posso até arriscar dizer que Gabriel Medina é o melhor em fazer aéreos no WCT. É um dos principais surfistas da Brazilian Storm correndo no circuito mundial.


Miguel Pupo ainda está começando a se destacar no circuito. Apesar de ainda não ter conquistado nenhuma etapa da elite do surfe profissional, Miguel Pupo é considerado uma das maiores revelações do Brasil e uma das principais armas do Brazilian Storm. Sabe dropar muito bem uma onda. Principalmente de Back Side, o que o deixa muito perigoso em ondas de esquerda. Um dos defeitos desse integrante da Brazilian Storm é o fato de cair em ondas importantes, o que pode prejudicar em momentos decisivos. É possível notar uma rivalidade sadia entre ele e Medina.

Adriano de Souza, o Mineirinho, é outro nome bem conhecido no surf brasileiro e mundial. Indo para sua décima temporada na elite do surfe mundial, Mineirinho é o mais experiente da Brazilian Storm. Vencedor da terceira etapa do WCT de 2015. Suas rasgadas, que levam a prancha ao limite da onda, são de fazer qualquer um ir ao delírio. Tem grandes chances de brigar pelo título mundial, já que é uma pedra no sapato dos grandes surfistas mundiais.

Raoni Monteiro ganhou respeito dos colegas da Brazilian Storm ao se jogar na onda mais sinistra em todo o circuito mundial de 2012, em Cloudbreak. Sua moral cresceu ainda mais ou eliminar o atual campeão do World Tour, Joel Parkinson, no Rip Curl Bells Beach 2013. Apesar de ser bom em ondas pesadas, precisa treinar mais em ondas menores e manobráveis.

Alejo Muniz possui uma boa bagagem em competições internacionais, porém em 2012 se foi prejudicado por uma lesão no tornozelo. Mas correu atrás do prejuízo encerrou a temporada passada com muita classe. Assim como Raoni, seu diferencial é a base boa para surfar ondas grandes. Apesar de não vê-lo como campeão mundial em 2015, acredito que ele seja uma das maiores revelações da Brazilian Storm, e pode subir ao pódio em alguma etapa.

Filipe Toledo já nasceu com sangue de campeão. Filho do Bicampeão brasileiro, Ricardo Toledo, o jovem surfista da Brazilian Storm mostrava habilidade desde criança. Tem grandes chances de mandar bem na etapa brasileira já nessa temporada de 2015, por já ter vencido 2 etapas do circuito mundial, uma delas no Rio de Janeiro. Possui uma boa pegada, principalmente em saber colocar pressão no seu adversário, impondo aéreas alucinantes e notas altas.

Jadson André estreou na elite do surfe profissional em 2010 e logo de cara se destacou ao bater o norte-americano Kelly Slater em uma final. Na época, o potiguar tinha apenas 20 anos e venceu a etapa brasileira do ASP World Tour, disputada na Praia da Vila, em Imbituba, no litoral de Santa Catarina. O brasileiro terminou o Circuito Mundial de 2014 na 22ª posição, entre os 36 atletas que competem na categoria principal do esporte no mundo. Jadson não terá vida fácil pela frente, mas com experiência e tranquilidade poderá superar as dificuldades.

Wiggolly Dantas é novato na elite do surfe mundial, mas é considerado um surfista completo. Ele vai bem tanto em ondas grandes quanto em condições tubulares.

Ítalo Ferreira chega com moral à elite do surfe. Na etapa que garantiu sua presença entre os melhores surfistas do mundo, o potiguar liderou uma bateria que incluía Gabriel Medina, na terceira fase encarou novamente o atual campeão mundial e conseguiu mais uma vitória, se firmando entre os dez primeiros do ranking de acesso. Campeão brasileiro em 2014.

Levando em conta esse time citado a cima, só posso dizer uma coisa aos parafinados da Austrália: Cuidado com a Brazilian Storm. Claro que falar dos australianos é mais uma questão de rivalidade. Portanto franceses, americanos e havaianos também devem temer essa geração de surfistas.


BIO

Thiago Muniz tem 33 anos, colunista dos blog "O Contemporâneo", do site Panorama Tricolor e do blog Eliane de Lacerda. Apaixonado por literatura e amante de Biografias. Caso queiram entrar em contato com ele, basta mandarem um e-mail para:thwrestler@gmail.com. Siga o perfil no Twitter em @thwrestler.

Nenhum comentário:

Postar um comentário