segunda-feira, 20 de abril de 2015

PSDB e a política interna do café com leite (Por Thiago Muniz)

Estratégia do PSDB paulista é muito interessante.

FHC, Serra e Alckmin, já se posicionaram contra o Impeachment, deixando Aécio Neves falando sozinho sobre isso e se desgastando inclusive com os movimentos que apóiam a derrubada de Dilma. Aécio não comparece nos eventos nas ruas, vai perdendo força e credibilidade e aos poucos os meandros para 2018 vão se desenhando.

FHC, Serra e Alckmin fazendo o que sabem fazer de melhor: Desestabilizar o PSDB visando benefício próprio dentro do próprio partido. Racha antiga.

O próprio PSDB é um partido dividido pela política do café com leite. Como o Brasil num todo pode confiar nisso?

Na política, existe uma arte muito interessante de se acompanhar: a dos bastidores. Essa é que determina tudo. E não tem como fugir disso, não há como parar de se envolver com política. O conceito de política é muito abrangente, que por sua vez envolve tudo que acontece no corpo social. Tudo é política, desde as relações sociais mais sutis as mais complexas.

O PSDB mineiro, muito através de Aécio Neves, agitam o povo do "vem pra rua" mas juridicamente eles percebem não ter base. Mas, gostam de manter agitada as águas e esse povinho fica aí falando como "Maria vai com as outras".

O Aécio nas campanhas e nos debates fez um papel agressivo, ofendendo alguns candidatos, isso é visto hoje nas ruas pelos seus eleitores, falta de tolerância política, hoje não existe trocas de ideias, as pessoas tem que ser mais tolerantes e aprender a aceitar que seu candidato não ganhou, nas ruas e na internet não se vê muita gente vestindo a camisa de muitos partidos porque são agredidos insultados; culpa de muitos que aprenderam a ser ignorante e agredindo se não tiver a mesma ideologia e escolha politica, está ficando insuportável esse eleitores do ódio.

A estratégia é clara: PSDB paulista não abre mão de dominar e vai sempre ao contrário do que os outros fazem. O Aécio gosta do ócio, não tem espírito de luta, vai se queimar e ser engolido. Fora de combate, o domínio continua com o tucanato paulista. Esta é a política real.

Soube a minha vida inteira que o Brasileiro é controlado pela grande mídia como tv, rádio e jornal. Mas não imaginava o estrago que esses podiam causar na mente de tantas pessoas. Parecem um bando de zumbis gritando um Hino macabro.

Não se tem base legal para isso! FHC vendeu até a mãe dele na onda das privatizações. Não fez nenhuma obra, não investiu em educação e nem estradas. Abandonou a saúde pública e o sistema energético, vide apagão de 1999. Antes que algum idiota venha me dizer que foi ele quem criou o Real, não foi ele mesmo, quem fez esse favor para o país foi Itamar Franco.

O PSDB dá munição para o adversário ao se degladiar internamente, depois se fazem de vítimas. O Aécio mostrou que não tinha e não tem condições nenhuma de comandar o Brasil. O PSDB quer se aproveitar da falta de sanidade dos eleitores do estado que reelegem e continuam acreditando no Alckmin e uni-lo à indignação da população com o governo atual e vão lançá-lo a presidente nas próximas eleições.

Na verdade não vejo esperança a curto prazo pois só vejo políticos preocupados com a eleição e sua futura reeleição, sem conhecer um único preocupado com as responsabilidades inerentes ao cargo público que desejam ocupar.

O perdedor não tem legitimidade de pedir o impeachment. Mal perdedor esse Aécio Neves. Política é cobra comendo cobra! Não existe partido político, existe jogo de interesse. Deixando o trouxa do Aécio se ferrar sozinho e assim preparando o terreno para o inútil do Alckmin que está ferrando o estado de São Paulo.


BIO

Thiago Muniz tem 33 anos, colunista dos blog "O Contemporâneo", do site Panorama Tricolor e do blog Eliane de Lacerda. Apaixonado por literatura e amante de Biografias. Caso queiram entrar em contato com ele, basta mandarem um e-mail para:thwrestler@gmail.com. Siga o perfil no Twitter em @thwrestler.

Nenhum comentário:

Postar um comentário