quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Juiz Deus: o novo cargo na Justiça Brasileira

Justiça brasileira, através de três desembargadores cariocas (leia-se TJ-RJ), decreta que João Carlos de Souza Correa, o juiz que se recusou a se comportar como cidadão comum na fiscalização da Lei Seca, É DEUS!

Luciana, a fiscal que não aceitou a carteirada do João, é penalizada!

Está confirmado: Deus é brasileiro! Durma-se com essa notícia. O país da inversão de valores!

A desilusão e a ignorância tem sido a maior arma de sucesso de um governo e administração pública corruptos e despreocupados com o bem pelo qual deveriam lutar, algo que as pessoas parecem ter esquecido que deveria ser interesse comum, algo chamado PÁTRIA.

Ninguém (TJ) vai defender esta cidadã, esta situação não pode ficar assim!!

Desse jeito está provado que por aqui não vale nada o "SER" na sua essência, no seu caráter; mas sim o "SER" na sua formação educacional, no seu diploma... Aquela velha história do: Você sabe com quem está falando!! não pode acontecer, a justiça não pode pender somente para o lado mais forte, senão que "Justiça" é esta?

Da ditadura militar à ditadura do corporativismo, Brasil, um pais de “todos”.

O "Deus" estava com o carro irregular, dirigindo sem habilitação e deu um a carteirada, como quem diz, EU POSSO! Houve reação da agente e quem recebeu a voz de prisão foi ela.

Ao final, o entendimento foi de que ELA agira com abuso de poder. Coisas que só vemos em países subdesenvolvidos, onde manda quem tem carteira e costas quentes, como aqueles jagunços e paus mandados dos coronéis “brazucas” mesmo.

A decisão foi absurda, nojenta e um maléfico recado à sociedade; de que, aqui, fazer o certo é perigoso. Vai desde a denúncia de crimes à fiscalização contra irregularidades.

Brasil, um país de “nem todos!”. Mais uma vez a Justiça se mostra favorável à injustiça, embora que cega ela não pode deixar de ver o óbvio a constituição da república sendo burlada, sendo rasgada.

É, o país do “jeitinho”, da “carteirada”, do “sou filho de sicrano”, do “conheço beltrano”, do “você sabe com quem está falando?”. Fazendo não só esta agente do Detran enojoado eu também. A culpa é de todos os que já tiveram no poder e de cidadãos que amam o "jeitinho brasileiro", de colocar a culpa só em um governo, me desculpe a franqueza, mas é bobagem.

Somos os babacas que elegem bandidos e ignorantes que fazem as leis mal redigidas, dúbias, de interpretação subjetiva, que no final dão respaldo legal para atitudes corporativistas.

Até quando vamos deixar assim?

























Carreira de juiz da Lei Seca é marcada por polêmicas



João Carlos de Souza Correa chamou a Polícia Federal após tentar entrar em navio para comprar em free shop.


Era dezembro de 2007. Às vésperas do Natal, a cidade de Búzios estava repleta de turistas no momento em que um transatlântico atracou próximo a um píer. Um juiz carioca, que trabalhava na Região dos Lagos, viu a cena e teve a ideia de entrar no navio para fazer as compras natalinas nas lojas do free shop. Elas estavam fechadas e, mesmo que não estivessem, seriam de uso exclusivo dos passageiros. O juiz insistiu. O comandante, então, lhe disse que quem mandava na embarcação era ele. A confusão só acabou quando a Polícia Federal foi chamada — de acordo com testemunhas, pelo próprio magistrado, que se irritou ao ser contrariado.

Publicado em 2007 na coluna de Ancelmo Gois, no GLOBO, o caso é mais um capítulo das polêmicas que envolvem o juiz João Carlos de Souza Correa. Parado em uma blitz da Lei Seca em 2011 sem o documento do carro (um Land Rover sem placa) e a carteira de habilitação, ele se sentiu ofendido ao ouvir de uma agente do Detran, Luciana Silva Tamburini, que “juiz não é Deus”. João Carlos de Souza Correa respondeu dando voz de prisão à fiscal, condenada esta semana a pagar R$ 5 mil ao magistrado em processo movido por ela própria.

A decisão do Tribunal de Justiça teve um efeito inesperado. Ao dar ganho de causa a Correa, o Judiciário o expôs a outro julgamento: o da opinião pública. No Facebook, uma página criada há apenas quatro dias em protesto contra a decisão já soma mais de 4 mil seguidores. Eles pedem o afastamento imediato do juiz da magistratura.

A carreira de Correa no Tribunal de Justiça começou no dia 18 de novembro de 1998, quando ele foi aprovado em concurso público. Boa parte desses 16 anos foi marcada por atitudes e decisões polêmicas. Em 2010, o juiz foi alvo de uma investigação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) por causa de decisões tomadas em processos sobre disputas de terra em Búzios, onde atuou até 2012. Contra Correa, havia duas denúncias por conduta indevida — a mais grave, por supostamente favorecer um advogado que alega ser dono de uma área de cinco milhões de metros quadrados, em Tucuns, zona nobre do balneário.
Questionado na quinta-feira sobre o assunto, o CNJ respondeu, em nota, que Correa responde a dois processos no órgão. Um é relacionado à blitz da Lei Seca na qual foi abordado; o outro, à “apuração da conduta pessoal e profissional do juiz na Comarca de Búzios”.

Quando deu voz de prisão à agente da Lei Seca, ele já tinha experiência no assunto. Em 2007, o magistrado também ordenou a detenção da jornalista Elisabeth Prata após ela divulgar uma carta aberta aos moradores de Búzios denunciando supostas irregularidades praticadas pelo juiz.

— Fiz denúncias contra ele à Corregedoria do Tribunal de Justiça. O corregedor da época, em vez de investigar o caso, encaminhou meu e-mail sigiloso para Correa. Ele mandou me prender, passei 12 horas detida e acabei sendo condenada a cinco anos de cadeia. Recorri da decisão e consegui provar minha inocência. Ele é completamente desequilibrado, jamais poderia ser juiz. Não está nem aí para o que é certo e errado, só faz o que bem entende — afirma, ainda indignada, Elisabeth.

Também em Búzios, o magistrado teria se envolvido numa áspera discussão com um casal de estrangeiro que estava hospedado no Hotel Atlântico, no Morro do Humaitá, perto da Orla Bardot. Os turistas, um francês e uma alemã, reclamaram de uma festa que teria sido promovida pelo juiz em um dos quartos do hotel.

O juiz foi casado com Alice Tamborindeguy e, com ela, participou de várias festas no Edifício Chopin, na Avenida Atlântica, em Copacabana. Foi no prédio que ele comemorou seu aniversário em 2013. Entre os convidados, havia vários nomes da sociedade carioca, incluindo desembargadores e outros juízes.

Apesar de todas as polêmicas, o juiz foi beneficiado por uma decisão tomada por 25 desembargadores do Órgão Especial do Tribunal de Justiça. Em 2012, eles atenderam ao seu pedido para trocar Búzios pelo 18º Juizado Especial Criminal, em Campo Grande, onde julga apenas questões de menor importância, as chamadas “pequenas causas”. Segundo a assessoria do TJ, a transferência não incluiu um aumento salarial ou qualquer outro tipo de vencimento.

Também na quinta-feira, chegou a R$ 40 mil o total arrecadado na campanha pelo Facebook para ajudar a agente do Detran Luciana Tamburini a pagar a indenização para Correa. As doações se encerrarão na próxima terça-feira. A fiscal disse que planeja doar o valor excedente a instituições de caridade.



Nenhum comentário:

Postar um comentário